Pular para o conteúdo

O que é a Dieta antiinflamatória?

Uma dieta anti-inflamatória é um plano alimentar focado na ingestão de alimentos que têm propriedades anti-inflamatórias, enquanto minimiza ou elimina alimentos que são conhecidos por promover a inflamação no corpo. O objetivo dessa dieta é combater a inflamação crônica, uma condição subjacente associada a muitas doenças crônicas, incluindo doenças cardiovasculares, diabetes, doenças autoimunes, e certos tipos de câncer.

Aqui estão os princípios básicos e os alimentos comumente incluídos e evitados em uma dieta anti-inflamatória:

Alimentos a Incluir:

  1. Peixes gordurosos: Como salmão, cavala, sardinha e truta, que são ricos em ácidos graxos ômega-3, substâncias anti-inflamatórias.
  2. Frutas e legumes: Especialmente aqueles ricos em antioxidantes, como bagas, maçãs, brócolis, espinafre, e couve.
  3. Nozes e sementes: Como amêndoas, nozes, sementes de chia e sementes de linhaça.
  4. Azeite de oliva: Preferencialmente extra virgem, que contém polifenóis com propriedades anti-inflamatórias.
  5. Grãos inteiros: Como quinoa, aveia, e arroz integral.
  6. Temperos e ervas: Como açafrão (com sua substância ativa, a curcumina), gengibre e alho, que têm propriedades anti-inflamatórias.
  7. Chá verde: Contém polifenóis que podem reduzir a inflamação e retardar a degradação da cartilagem.

Alimentos a Evitar:

  1. Alimentos processados: Como carnes processadas, snacks embalados e alimentos fritos.
  2. Açúcares refinados: Presentes em muitos produtos processados, doces, sobremesas e bebidas adoçadas.
  3. Óleos vegetais refinados: Como óleo de soja, óleo de milho e óleo de girassol, que são ricos em ácidos graxos ômega-6, os quais podem promover inflamação quando consumidos em excesso e desequilíbrio com ômega-3.
  4. Carnes vermelhas: Especialmente aquelas que são grelhadas ou processadas.
  5. Álcool: Consumo excessivo pode causar inflamação.
  6. Laticínios: Alguns indivíduos são sensíveis ou intolerantes, o que pode causar inflamação em seus corpos.

Além de escolher os alimentos certos, manter um peso saudável, praticar exercícios regularmente e evitar o tabagismo e o consumo excessivo de álcool podem ajudar a reduzir a inflamação crônica. No entanto, é importante lembrar que a dieta anti-inflamatória não é uma “cura” por si só, mas sim uma parte de uma abordagem abrangente para promover a saúde geral e prevenir doenças.

Antes de fazer mudanças significativas na sua dieta, é sempre uma boa ideia consultar um profissional de saúde ou um nutricionista.

Descubra a verdadeira dieta personalizada para uma vida saudável. Aprenda a julgar os alimentos e reeduque-se para melhorar drasticamente sua qualidade de vida. O livro “Dieta anti-inflamatória estratégica” revela uma abordagem única para tratar os sintomas que te afligem. Não siga modas, encontre sua estratégia real e customizada para transformar sua vida.

Neste vídeo, o Dr. Alexandre Amato, cirurgião vascular do Instituto Amato, fala sobre a dieta anti-inflamatória e como ela pode ajudar a combater a inflamação crônica no corpo. Ele explica que a inflamação crônica é uma inflamação sistêmica que pode causar diversos malefícios à saúde e é desencadeada por exposição a toxinas, predisposição genética e alimentação inadequada com alimentos pró-inflamatórios.

A dieta anti-inflamatória não é uma dieta para perder peso, mas sim uma reeducação alimentar em que se escolhem os alimentos adequados que não causam inflamação. O objetivo é fazer uma mudança a longo prazo. O Dr. Amato dá algumas dicas gerais sobre a dieta anti-inflamatória, como focar na variedade alimentar e evitar alimentos processados e fast food, que contêm mais química. Ele enfatiza a importância de frutas e legumes na dieta.

A distribuição recomendada pela OMS para a ingestão calórica é de 40-50% de carboidratos, cerca de 30% de gorduras e 20-30% de proteínas. O Dr. Amato sugere evitar alimentos com alta quantidade de frutose e outros xaropes, dando preferência a grãos integrais. Ele menciona que o azeite extra virgem é uma das melhores opções de gordura, e o ômega 3 encontrado em frutos do mar, como salmão e sardinha, pode ser facilmente adicionado à dieta.

Para atingir a ingestão diária recomendada de fibras, cerca de 40 gramas, o Dr. Amato sugere consumir frutas, legumes e cereais. Ele destaca a importância de vitaminas como a vitamina C, vitamina E e selênio para reduzir a inflamação. O vídeo menciona que alimentos enlatados, condimentos, derivados de leite, trigo, farinha e glúten podem ser pró-inflamatórios para algumas pessoas devido a intolerâncias alimentares.

Por outro lado, alimentos como mirtilo, óleo de peixe, alho, linhaça e chia são considerados anti-inflamatórios e podem ajudar a diminuir o processo inflamatório. O Dr. Amato também menciona a lactose e o glúten, que podem causar alergias em algumas pessoas, mas ele se refere especificamente à intolerância alimentar e ao aumento da reação inflamatória a esses alimentos.

O vídeo conclui incentivando os espectadores a curtir, compartilhar, se inscrever no canal e aguardar o próximo conteúdo.

Olá sou o Dr. Alexandre Amato cirurgião vascular do Instituto Amato. E hoje eu vou falar um pouco sobre a dieta anti-inflamatória. Todo mundo conhece a inflamação e a inflamação superficial, aquela que vem junto com dor, calor, rubor. Quando a gente tem alguma inflamação na superfície do nosso corpo; mas a inflamação crônica nem todo mundo pensa nela. A inflamação crônica acomete o corpo por inteiro: é uma inflamação sistêmica e pode trazer outros malefícios. A inflamação crônica. Ela ocorre quando a gente fica exposto a toxinas. Quando a gente tem alguma predisposição genética ou mesmo quando a gente se alimenta inadequadamente com alimentos pró-inflamatórios então por isso que eu vou falar hoje da dieta anti-inflamatória. Como combater esses alimentos que podem desencadear em algumas pessoas um processo inflamatório sistêmico. A dieta anti-inflamatória não é uma dieta para perder peso. É uma dieta mais uma reeducação alimentar onde você escolhe os alimentos adequados que não vão proporcionar o desencadeamento da inflamação. É uma mudança para médio a longo prazo. Bom algumas dicas gerais sobre a dieta anti-inflamatória: foque na variedade e qualquer mudança para longo prazo. Uma reeducação alimentar. A variedade é um ponto principal para que isso dê certo. Dê preferência para alimentos frescos evite processados e fast food que possuem muito mais química . Dê ênfase em frutas e legumes. A ingestão calórica deve ser dividida em. De 40 a 50% carboidratos. De 30% mais ou menos em gorduras. E 20 a 30% de proteínas. Essa é a distribuição recomendada pela OMS. Com relação aos carboidratos evite alimentos com alta quantidade de frutose e outros xaropes. Dê preferência para grãos integrais. Com relação à gordura: O azeite extra virgem é um dos melhores a serem usados. O ômega 3 que pode ser encontrado em frutos do mar pode ser facilmente adicionado à dieta com alimentando-se com salmão de preferência fresco, sardinha e outros frutos do mar. Tente comer 40 gramas diariamente de fibras. Você pode conseguir isso com frutas, legumes e cereais para atingir todos os fito-nutrientes, uma maneira fácil de se pensar é deixar o prato bem colorido com legumes e frutas: então tomate, laranja, os berries, as frutas vermelhas. Acrescentar toda essa gama colorida de frutas e legumes facilita muito na escolha dos fito-nutrientes. Com relação às vitaminas. A vitamina C, a vitamina E, selênio todos eles são importantes para diminuir o processo inflamatório. Portanto a melhor forma de reduzir a inflamação é a diminuição dos alimentos pró-inflamatórios e o aumento dos alimentos anti-inflamatórios na dieta. Então vamos lá vou dar alguns exemplos de quais são eles: como pró inflamatórios, nós temos os alimentos enlatados, os condimentos, para algumas pessoas, não todas, os derivados de leite, trigo, farinha, glúten. Veja que não estou falando de alergia estou falando de uma intolerância alimentar. Todos eles podem fazer mal para algumas pessoas e não para outras. Então isso tem que ser bem individualizado. E como alimentos anti-inflamatórios nós temos mirtilo, óleo de peixe, alho, linhaça, chia, todos esses alimentos vão ajudar a diminuir o processo inflamatório. Existem outros também. Vou fazer uma especial atenção aqui a lactose e o glúten. Eles podem ser alergênicos ou seja causar alergia para algumas pessoas. A alergia quando tem um edema de glote: é uma reação muito rápida e que requer a ida a um hospital. Essa alergia não é o que eu estou falando aqui agora estou falando de uma intolerância alimentar um aumento da reação inflamatória a determinados alimentos são reações que ocorrem de 24-48 às vezes até 72 horas depois da ingestão do alimento. Então é difícil fazer a correlação do que foi o alimento que desencadeou o mal estar. E esse mal estar pode ser desde lesões na pele como no caso de vascular a sensação de dor, cansaço, inchaço em membros inferiores. Gostou do nosso vídeo? Curta compartilhe. Clica no Sininho. Assine nosso canal e nos vemos no próximo.

17 comentários em “O que é a Dieta antiinflamatória?”

  1. Avatar

    Cheguei aqui pesquisando s causa dos meus tornozelos estarem permanente inchados
    Já que resultados dos exames apresentação normal
    Si eu pensei será que não é da alimentação
    Depois destas informações rápidas acredito que estou na estrada certa

      1. Avatar

        Tenho 53 anos, estou na menopausa a 3 anos. Sempre tivr crlulitr, mas agora sr intensificou. Durante a gravidez minha perna direita inchou muito e apos continuou inchando. Apos consulta com vascular retiramos a safena. Continuo inchando, sinto como se tivesse pesos em cada pernas, abdomem, braços e pernas com gordura (celulite). 😞 tomo Venaflon pra circulação, mas n adinata. Preciso de ajuda meduca, mas não sei qual especialista procurar. Por favor, me ajude.

        1. Avatar

          Ola senhora Rose, tudo bem?
          Nesse caso, um tratamento primordial para a senhora é a massoterapia, pois, ajuda a tratar essa condição atual e não evoluir o grau de inflamação. E a senhora ainda vai sentir-se leve, vai melhorar seu sono, seu aspecto fisico, a senhora vai começar a se sentir muito melhor. E estou lhe falando isso com prioridade porque sou massoterapeuta humanizada, atuo em tratamento de doenças como lipedema, fibromialgia e cancer. Então, na sua cidade procure uma massoterapeuta humanizada da top corpus, explique sua situação a ela e tenho certeza que a partir dai, sua situação vai mudar pra melhor, o massoterapeuta é o profissional que a senhora esta precisando para te ajudar nesse momento.
          Um forte abraço e que Deus abençoe sua saude querida.

  2. Avatar

    Me identifiquei, tenho 51 anos,parei de menstruar há 1 ano e 4 meses estou na menopausa, com dores nas articulações, inchaço, muita celulite e flacidez nas pernas. Preciso de ajuda.

        1. Avatar

          Tenho bariatrica a 20 anos emagreci bastante mas tenho dificuldades de diminuir pernas .fiz vários procedimentos estéticos mas todos com poucos resultados pelo jeito tenho lipidema pelos sintomas e tbm aparência das pernas comecei faz pouco tempo pesquisar sobre o assunto vi isso na Internet

    1. Avatar

      Estou com minhas pernas deformadas com acúmulo estranho de gorduras tipo nódulos… Cheia de ondulações… Poderia me informar o que devo fazer?
      Tenho vergonha de usar vestido, bermuda, shorts etc … Sem contar que passo as mãos tipo massagem dói.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Marcações: